domingo, 8 de Junho de 2014

Normandia: o desembarque “encomendado” para evitar a vitória completa do Exército Vermelho na Europa

Numa altura em que alguns dão destaque ao famoso “Dia D”, convém ter presente a “pressão” daqueles que querem reescrever a história. Deixo-vos AQUI informação que considero fidedigna sobre esse período.
“Hoy algunos celebran el famoso día D, aquel 6 de junio de 1944, en el que los aliados llevaron a cabo el desembarco de Normandía, abriendo el esperado desde hacía mucho tiempo segundo frente en Europa, como la clave de la derrota del nazismo, como si la guerra no hubiera empezado a ganarse realmente en Stalingrado.”

Partilho também convosco uma série de cinco filmes (um dos quais com duas partes) sobre a gloriosa epopeia do Exército Vermelho e dos povos soviéticos na luta e na vitória sobre a barbárie nazi. A mesma que inspira os que agora tomam o poder na Ucrânia com o apoio dos EUA e da EU. Os filmes têm legenda em português e constituem provavelmente a melhor obra que se fez sobre o tema.
(clicar AQUI para ver os filmes)




Osvobojdenie
Liberación (Osvobozhdenie, en ruso) es una superproducción realizada por la URSS con la colaboración de la RDA dirigida por Yuri Ozerov y Julius Kun. Se llevó a cabo entre los años 1969 y 1971, en vistas del aniversario de la victoria soviética sobre los nazis en la Segunda Guerra Mundial (La Gran Guerra Patria).
Es una saga de cinco filmes que narra el momento en que los soviéticos lograron dar vuelta el curso de los acontecimientos (la Batalla de Kursk) y pasaron a la contraofensiva, culminando con la Batalla de Berlín en Abril - Mayo de 1945. Esta película tiene escenas de batalla enormes con millares de extras y es considerada una de las películas más costosas de la filmografía de la antigua URSS.

Sinópsis
Si la victoria soviética en la batalla de Stalingrado decidió el viraje del curso de la guerra, la batalla ocurrida en el llamado Arco de Kursk reveló el desarrollo alcanzado por el ejército soviético y su victoria representó el inicio de la ofensiva soviética para la liberación de Europa de las hordas nazis que culminó con la entrada triunfante del ejército rojo en Berlín. La epopeya cubre todas las victorias importantes del ejército soviético, incluyendo la Batalla de Stalingrado y la Batalla de Berlín, el Asalto en el Reichstag, y la colocación de la bandera roja sobre sus ruinas. Esta película describe los hechos ocurridos durante este periodo en cinco partes:
1.     El arco de Fuego
2.     La Ruptura
3.     La dirección del Golpe Principal (1 e 2)
4.     La batalla por Berlín
5.     El último final

El arco de Fuego
Esta primera parte esta dedicada a la Batalla de Kursk (1943). La primera escena transcurre en un campo de pruebas alemán, donde Adolfo Hitler contempla como un tanque Tiger es destruido por un pepinazo de un T-34. En Moscú el Alto Mando soviético discute la estrategia a adoptar de cara a la inminente campaña de verano. Los generales rusos son conscientes de que el próximo objetivo alemán será la eliminación del saliente de Kursk, por lo que deciden preparar una potente defensa de dicho sector, empleando el grueso de sus fuerzas.
Los alemanes han lanzado la Operación Ciudadela y están decididos a rodear y estrangular a las fuerzas soviéticas en Kursk, dándole un golpe mortal al ejército rojo. Pero el mariscal Zhúkov ha anticipado la movida y ha montado una férrea defensa, con una enorme lista de divisiones aguardando detrás de las líneas para lanzarse a la contraofensiva. Ahora ha llegado el momento en que se definirá la suerte de la Segunda Guerra Mundial, en donde los nazis han venido acorralando a los rojos durante años, pero los soviéticos se han plantado. Y será un baño de sangre, definido por el enfrentamiento entre los tanques Tiger I y T-34 de ambas facciones.
Ozerov intentó filmar esta parte en los mismos lugares donde sucedió la batalla pero fue totalmente imposible porque el lugar estaba lleno de proyectiles sin explotar. Así que se decidió filmar en lugares cercanos y en la misma época del año en la que sucedió la batalla. Y es aquí donde se ven a esos 3.000 soldados y esos 150 tanques. Hay numerosas tomas aéreas al estilo de Bordanchuck, para mostrar al espectador el carácter gigantesco de esa lucha de titanes. Las recreaciones de los combates de tanques como el de Projorovka son realmente notables.

La Ruptura
Julio de 1943. Comienza recordándole al espectador que es gracias a la victoria de Kursk por la que los aliados pueden asaltar Sicilia y posteriormente desembarcar en lapenínsula italiana de los aliados angloamericanos. En esta parte se muestra la caída y detención de Benito Mussolini, quien es detenido por orden del Rey y confinado en un Hotel del Gran Sasso. Al conocer la noticia de la detención de Mussolini, Adolfo Hitler envía a Otto Skorzeny y sus muchachos a liberarlo (en realidad la liberación de Mussolini sucedió de una forma algo diferente pero Otto se llevó el mérito). Liberado el Duce se restaura el régimen fascista en Italia. Mientras tanto, en el Frente Oriental, las fuerzas soviéticas pasan a la ofensiva general en Ucrania y se preparan para cruzar el Río Dnieper, donde los alemanes han establecido su nueva línea defensiva.


La Dirección del Golpe Principal (1 e 2)
Enero de 1944. Esta parte es probablemente la única vez que se ha representado en la pantalla la Operación Bagration, desarrollada en un lugar pantanoso de Bielorrusia, un sector en el que los alemanes no esperaban que se realizara la ofensiva rusa, la cual provocó la aniquilación del llamado Grupo de Ejércitos del Centro de laWehrmacht. Esta parte de la película comienza recordándonos, que Kursk fue la batalla más importante de la II Guerra Mundial, para luego continuar con el asunto del espía nazi en la Conferencia de Teheran y le envió las actas de la misma a Hitler. Por otro lado se ve a Stalin y el alto mando soviético planean los objetivos de la siguiente campaña de verano
Vemos a los aliados intrigando en contra de los rusos, sobre todo Churchill al que sólo le preocupa que los Balcanes no caigan en manos soviéticas. Pero Roosevelt lo tiene clarísimo, la prioridad es Francia. No se si será una especie de broma, pero se dedica un montón de tiempo a relatar una de las intervenciones de la escuadrilla “Normandía” mientras que del desembarco del mismo nombre sólo vemos unas cuantas imágenes de documental. Probablemente es la parte más chapucera de toda la saga (ver videos abajo).
En esta parte también se ve la discusión en la Stavka de la operación incluyendo la maskirova y la escena del cruce de los pantanos durante el cruce de la Operación Bagration. Realmente está muy bien hecha si exceptuamos algunas secuencias duplicadas que han sido tomadas desde diferentes ángulos en un esfuerzo para que no se note mucho que es la misma toma. Otro aspecto a destacar es que veremos el papel de los partisanos en el desarrollo de dicha operación.
También veremos una reconstrucción bastante buena de la famosa Operación Valkiria, plan organizado por un grupo de altos oficiales alemanes encabezados por el Coronel Stauffenberg el cual tenia como objetivo la eliminación de Hitler. Aquí se reconstruye ese hecho desde su planteamiento inicial, su ejecución y finalmente su represión. Lo más alucinante es que veamos una secuencia en la que Churchill se felicita de que el atentado haya fallado porque de lo contrario eso impediría la victoria total sobre los alemanes.

La Batalla de Berlín
Febrero de 1945. Mientras las fuerzas soviéticas, tras atravesar a toda velocidad Polonia, y penetran en territorio alemán, los tres líderes de los aliados se encuentran enYalta para discutir las futuras operaciones militares, estas discusiones se conocen como la Conferencia de Yalta. Stalin, desconfiando de las verdaderas intenciones de británicos y americanos al tener conocimiento de las negociaciones secretas de rendición mantenidas en Suiza entre Allan Dulles y el general de la SS Karl Wolff, decide preparar una última gran ofensiva con el objetivo de tomar Berlín antes que los ejércitos occidentales se acerquen a la capital alemana.
Aunque esta cuarta entrega de Liberación se titula la La Batalla de Berlín lo cierto es que no abarca propiamente la lucha por la capital del Reich, sino más bien los hechos inmediatamente anteriores, es decir, la campaña de la primavera de 1945, que culminó con el cerco de la ciudad por parte de los ejércitos de Zhukov y Konev.
En esta parte salen pro vez primera los prisioneros de los campos de concentración alemanes. En la escena, un tanquista ruso y un soldado polaco están en una estación buscando un vagón con combustible para los tanques y encuentran un tren lleno de prisioneros con el típico uniforme a rayas. Uno de ellos es alemán y proclama su compromiso con la lucha antifascista. Así que todos los prisioneros se ponen a ayudar para empujar el vagón hacia los tanques.

El Último Asalto
20 de abril de 1945. Una vez vencida la resistencia de las últimas tropas alemanas que combatían en las afueras de Berlín, las tropas soviéticas se preparan para lanzar el asalto final contra la capital del Reich. Mientras el mando soviético prepara el asalto del Reichstag y las tropas de asalto rusas se acercan al corazón de la ciudad, en elbúnker de la cancillería del Reich, Hitler, tras contraer matrimonio con su antigua amante Eva Braun, se prepara para quitarse la vida antes de caer en manos del enemigo.

Las escenas de la batalla por Berlín, así como las escenas que representan los últimos días de Adolf Hitler en el führerbunker, son bastante buenas en general. Es de destacar la lucha por la toma del Reichstag. Gran parte de las imágenes fueron filmadas en el Berlín Oriental y se aprovechó un barrio que iba a ser demolido para realizarlas. La película termina recordándonos todo el daño que ha hecho el fascismo por la enumeración de las muertes producidas por la guerra en los distintos países.

Número de vítimas da 2ª Guerra Mundial


segunda-feira, 26 de Maio de 2014

Marinha Grande: Europeias 2014

Ainda sem todos os dados disponíveis, uma primeira leitura é já possível. Deixo à vossa as votações no concelho da Marinha Grande e sem prejuízo de ulteriores e mais aprofundadas considerações.

A nível do distrito de Leiria (Quadro 1):
·         A CDU passa de 5ª força em 2009 (com 6,48% - 9.892 votos) para terceira força em 2014 (com 8,64% - 11.881 votos);
·         O PSD e o PS mantêm-se em primeiro e segundo lugares; o PSD (PSD+CDS) perde votos e o PS ganha votos;
·         O BE perde e de que maneira;
·         Novidade é o aparecimento do MPT (6,83% - 9.386 votos) em quarto lugar (0,68% - 1.043 votos em 2009);
 
 
No concelho Marinha Grande (Quadro 2):
·         No concelho da Marinha Grande, o PS mantem-se no primeiro lugar e a CDU no segundo lugar, aumentando ambos a sua votação (PS mais 150 votos e CDU mais 402 votos);
·         O PSD mantem o terceiro lugar, mas perde (PSD+CDS obtiveram 2.651 votos em 2009 e 1.752 votos em 2014);
·         O BE perde 1.132 votos (passa de 16,14% para 6,72%), sendo ultrapassado pelo MPT (7,57% - 866 votos);

 
Na freguesia da Marinha Grande (Quadro 3):
·         A CDU passa a ser a força mais votada (de 23,11% - 2.173 votos em 2009 para 27,13% - 2.521 votos) com mais 348 votos e o PS passa de primeira para segunda força (de 24,62% - 2.315 votos para 26,57% - 2.469 votos);
·         O PSD+CDS perdem 673 votos;
·         O BE passa de 16,13% - 1.517 votos, para 6,72% - 624 votos;

 
 
Na freguesia de Vieira de Leiria (Quadro 4):
·         A CDU passa a terceira força política (de 13,77% para 18,39%) e mais 58 votos;
·         O PS mantem-se em primeiro lugar, ganhando mais 25 votos e o PSD+CDS mantem-se em segundo, mas perde 171 votos;
·         O BE passa de 17,43% - 319 votos para 6,82% - 115 votos;
 
Na freguesia da Moita (Quadro 5):
·         O PS e a CDU são respetivamente primeiro e segundo, sobem em percentagem, mas perdem votos;
·         O PSD+CDS perde em percentagem e cerca de metade dos votos;

 
 
O PSD+CDS são os grande perdedores! O PS obtém uma vitória tímida, em relação ao PSD+CDS.
O BE continua o seu caminho de desagregação progressiva...
O MPT, mais concretamente a "candidatura unipessoal" de Marinho e Pinto obteve um (inesperado) sucesso. Mas creio que será um episódio efémero...
A CDU obtém um resultado muito encorajador e que representa o culminar de uma campanha que comentadores de vários quadrantes consideraram a mais séria.
Mas 66% de abstenção deverão fazer pensar todos os que, com os seus atos, contribuem para o desacreditar da coisa política.
É por isso importante continuar a afirmar a importância de levar a luta até ao voto!
 

terça-feira, 13 de Maio de 2014

OP - orçamento participativo?

Iniciou-se na Marinha Grande o processo de construção do Orçamento Participativo (OP).
Sou desde há muito um entusiasta da ideia. Creio que é uma forma particularmente rica de democracia participativa. O Programa Eleitoral da CDU para as autárquicas de 2005, continha a ideia da realização deste tipo de participação dos munícipes.
O  modelo escolhido e o Regulamento para este arranque está definido no sítio do Orçamento Participativo.
O Artigo 5º do Regulamento define que:
"O Orçamento Participativo incide sobre todo o território do concelho da Marinha Grande, sendo apenas admitidas as propostas que digam respeito às seguintes áreas de atuação:
- Infraestruturas viárias, trânsito e mobilidade;
- Proteção ambiental e energia;
- Reabilitação e requalificação urbana;
- Espaço público e espaços verdes;
- Saneamento básico e higiene urbana;
- Cultura, juventude e ação social.”
As propostas a apresentar deverão incidir apenas sobre investimentos públicos concretos a realizar no concelho da Marinha Grande” (Art. 2º).
Pretende-se “envolver os cidadãos no processo de identificação dos problemas do território ... e nas decisões sobre a prioridade dos investimentos que melhorem a sua qualidade de vida.”
A proposta, com estes conteúdos, merece desde já algumas reflexões.
Cremos ser de evitar a excessiva “burocratização” do processo de discussão e apresentação de propostas.
Os munícipes são convidados a envolver-se na “identificação dos problemas” e nas “decisões sobre a prioridade dos investimentos”. A participação dos munícipes num processo deste tipo, pressupõe que estejam definidos pelo município os eixos e as políticas fundamentais para o desenvolvimento do concelho nas diversas áreas, quer do ponto de vista das infraestruturas, quer do ponto de vista das ações práticas a implementar. Essas políticas deverão merecer ampla divulgação. Creio que estes aspetos não estão (claramente) definidos, desenvolvidos e publicitados.
Teria extraordinária utilidade o encontro regular do executivo com as populações, nos lugares e em instituições representativas. Dessas ações brotam ideias e sugestões concretas que, devidamente trabalhadas, podem dar lugar a magníficas realizações para toda a comunidade, a inscrever no Plano de Atividades e nos demais instrumentos previsionais. É por aqui que concebo a principal contribuição das populações para um OP.
As grandes linhas de conceção e construção de infraestruturas e os eixos motores das políticas, devem assentar nas propostas das forças políticas com representação nos órgãos de poder. E essas linhas e políticas, quando transpostas para o programa de ação autárquico, deveriam ter sempre em conta as contribuições das populações.
Um OP, a meu ver, deverá assentar neste diálogo permanente, neste contínuo sufrágio. Porque bem poderemos criar um quadro, no qual a montanha pode parir um rato.
Por agora, será importante que muitos participem e ajudem a melhorar.

sexta-feira, 28 de Março de 2014

Ucrânia: mais elementos para a possível compreensão do que se passa...

Vivemos um tempo em que a informação circula em quantidade e diversidade. Desgraçadamente os principais meios de comunicação são propriedade de grupos económicos e, como tal, têm como objetivo central a defesa dos seus interesses. Salvo raras e honrosas exceções, geralmente ficamos a saber apenas uma parte das coisas. Daí que seja importante estudar e divulgar outros pontos de vista, mesmo que eles não coincidam exatamente com o nosso pensamento. Proponho-vos a leitura de um trabalho bem documentado que ajuda a esclarecer quem é quem e o quê na recente luta ainda em curso na Ucrânia.
Esclareço que, estando de acordo com Miguel Urbano Rodrigues, tenho a convicção de que “Vladimir Putin não é um revolucionário. … Não lhe passa pela cabeça pôr em causa o capitalismo.” in: http://www.pcp.pt/avante/20010125/417g6.html
E já agora, leiam também aqui http://www.ionline.pt/iopiniao/licoes-da-ucrania

sexta-feira, 7 de Março de 2014

Não subiram mais, porque não quiseram!

Foi a maior manifestação de sempre dos profissionais das forças e serviços de segurança. Cerca de 18.000 profissionais de várias polícias e guarda.
O “jogo do empurra” frente à Assembleia da República só acabou “em bem” porque se tratava de uma manifestação de polícias e guardas. Diga-se o que se disser! Por muito menos que aquilo já noutras situações alguns agentes e chefes mais caceteiros agiram de forma substancialmente diferente!
A manifestação das polícias vem mais uma vez demonstrar o estado de degradação a que chegou a situação política, económica, social, anímica, etc. do país. O governo não sabe governar! E uma cada vez maior mole de trabalhadores e populares, não quer este!
A máquina de propaganda do governo, apoiada nos meios de comunicação social, propriedade dos grandes grupos económicos, manipula a consciência da generalidade das pessoas. Vendem o “milagre económico” e um novo tipo de “ventres ao sol”, que não vislumbram saída para as suas vidas. Atacam com ferocidade os trabalhadores do estado (funcionários, professores, polícias, médicos, enfermeiros, etc.) como se fossem estes os culpados pelas políticas que são apenas da sua responsabilidade. A via capitalista de desenvolvimento, em Portugal e no mundo, arrasta consigo a miséria da maioria, a degradação económica, cultural e social e condena o futuro dos povos.
É possível um outro caminho com um outro governo que não roube ao povo para dar ao grande capital! É necessário e urgente unir os patriotas contra estas políticas.
As polícias também estão em luta!
Mais degrau, após degrau, é preciso subir os patamares da nossa indignação! É preciso mudar de governo e mudar de política! Subir! Porque nós queremos!
 
 

quinta-feira, 6 de Março de 2014

PCP: 93º aniversário - tantas vidas, tantas lutas!

"O Partido Comunista Português faz 93 anos.
...
Foram anos de combate tenaz e sem tréguas, que continua, pela causa mais justa e avançada que a Humanidade produziu: o projecto de uma sociedade sem classes, que ponha fim à exploração do homem pelo homem, às desigualdades, às discriminações, às injustiças e aos flagelos sociais que marcam o capitalismo; o projecto de construção do socialismo e do comunismo.
Este combate, por estes que são objectivos supremos e razão de ser da luta dos comunistas, implica muitos outros: pela democracia e pela liberdade; pelo trabalho e pelos direitos; pela educação, pela saúde e pela protecção social; pela cultura e pela Paz. O PCP travou-os a todos; e trava-os ainda hoje.
Característica marcante destas mais de nove décadas é o facto de a luta dos comunistas portugueses ter sido quase sempre travada contra a corrente e em oposição ao estado de coisas existente. Mesmo quando isso implicava, como implicou a tantos e tantos militantes, a prisão, a tortura e, não poucas vezes, a morte. As tempestades, por mais violentas que tenham sido, nunca apanharam o PCP pelas costas.
Em ditadura como em liberdade, em tempos negros de fome, miséria e repressão como nos tempos luminosos da Revolução de Abril, os comunistas sempre se bateram em defesa dos direitos e aspirações dos trabalhadores e do povo, contra as políticas que servem aqueles poucos que, à custa da exploração da imensa maioria, amassam crescentes fortunas. Esta opção é outra marca constante do longo percurso do Partido Comunista Português." In: http://www.avante.pt/

Ucrânia: para quando a palavra ao povo?

A situação que se vive na Ucrânia, põe em confronto os senhores do império UE e EUA por um lado e a Rússia capitalista por outro. No meio fica o povo ucraniano, que continua a ser vítima dos grupos mafiosos que têm partilhado os poderes no país. Os "grandes democratas" para era pós-soviética arrasaram o país. Os "novos protagonistas" são os grupos neo-nazis, a soldo de poderes financeiros mundiais. As raízes históricas em que mergulha a história da região, aconselhariam prudência e tato na resolução dos conflitos. Mas aqui como noutros pontos do planeta, os meios parecem justificar os fins!... O desenvolvimento capitalista-mafioso do país, levou a situação até aqui. É imprevisível como terminará o conflito. Tem-se assistido a uma escalada em que vale tudo.
 
Partilho convosco a
 
Declaração sobre o avanço reacionário na Ucrânia
Declaração conjunta de Partidos comunistas e operários sobre os recentes acontecimentos na Ucrânia

(sob proposta de KKE e DKP)
 
"Os recentes e dramáticos acontecimentos na Ucrânia representam, não a “vitória da democracia” por parte dos autonomeados “revolucionários” - como pretendem os órgãos de comunicação de massas dos Estados Unidos e da União europeia - mas uma perigosa evolução, sobretudo para o próprio povo ucraniano.
As forças políticas reaccionárias, herdeiras ideológicas dos nazis, surgiram politicamente à tona com o apoio da UE e dos EUA. São forças que para além de destruírem as sedes dos seus adversários têm como programa a perseguição política e a ilegalização dos partidos, sobretudo afrontando os comunistas, e uma legislação racista tendo como alvo a população de língua russa, idêntica à que há 20 anos vigora nos países do Báltico “europeu” com o tácito apoio politico da UE.
Os Partidos comunistas e operários subscritores desta declaração conjunta:
- Manifestam a sua solidariedade e apoio aos comunistas da Ucrânia, e em primei àqueles que em muitos casos saíram à rua para defender os monumentos a Lénine e aos antifascistas, tomados como alvo pelo branqueamento da história levada a cabo pelos grupos armados nacionalistas-fascistas.
- Denunciam os EUA e a UE pelo seu manifesto envolvimento nos assuntos internos da Ucrânia, pelo apoio directo que prestaram e continuam a prestar aos grupos armados fascistas, sustentando o revanchismo histórico contra as vitórias da II Guerra mundial, convertendo o anticomunismo em política oficial, agindo de forma a embelezar os grupos fascistas e a sua ideologia e actividade criminosa, promovendo a divisão do povo da Ucrânia através do planeamento de perseguições e confrontos na zona russófona.
- Sublinham os perigos colocados pelas posições das forças oportunistas, que semeiam ilusões acerca da possibilidade da existência de uma outra e “melhor UE”, ” um melhor e diferente acordo de associação da UE com a Ucrânia”. A UE, tal como qualquer outra união capitalista inter-estatal, é uma aliança predadora de carácter profundamente reaccionário e não só não pode vir a tornar-se amiga do povo como age e continuará a agir contra os direitos dos trabalhadores e dos povos.
- Assinalam que os acontecimentos na Ucrânia se articulam com a intervenção da UE e dos EUA, e resultam da forte competição entre estas potências e a Rússia pelo controlo dos mercados, das matérias-primas e das redes de transporte desse país. Todavia o povo ucraniano, tal como todos os outros povos da Europa, não tem interesse em alinhar nem com este nem com aquele bloco imperialista, nem com esta nem com aquela aliança predadora.
- Os interesses da classe operária e das camadas populares da Ucrânia residem em resistirem a envolver-se em lógicas de divisão nacionalista, sobre a base de particularismos étnicos, linguísticos e religiosos, e em dar prioridade aos seus interesses de classe comuns, em definir o seu percurso de luta de classe pelos seus direitos e pelo socialismo. O socialismo continua a ser mais oportuno e mais necessário do que nunca. É esta a perspectiva a partir da qual deve ser confrontada qualquer união capitalista inter-estatal, para abrir o caminho a uma economia e uma sociedade que se organize não sobre a base do lucro mas sobre as necessidades dos trabalhadores."
26/02/2014 (publicado em http://www.odiario.info/?p=3200)
 
.................................
 
O que espera o povo ucraniano será talvez o que muito bem retrata Paul Craig Roberts 
(http://www.resistir.info/ucrania/roberts_25fev14.html).